Quem é Fernando López Mirones?


Fernando López Mirones é biólogo, especializado em zoologia, e comunicador científico. Ele também é diretor, produtor e roteirista de documentários sobre a natureza. Ele escreveu e/ou dirigiu mais de 120 documentários internacionais sobre Natureza, História Natural e Antropologia.

Como comunicador científico, ele participa regularmente de jornais, livros, revistas, rádio e televisão, assim como ministra cursos sobre filmagem de documentários em universidades.

Mirones é uma das figuras mais mediáticas do negacionismo do SARS-CoV-2 na Espanha. Ele espalha uma opinião diferente sobre a verdade oficial e seu conteúdo já é compartilhado por usuários internacionais. Ele deu sua opinião em muitas ocasiões sobre a pandemia e a gestão do governo sobre esta pandemia, e criou muitos vídeos denunciando o engano das "vacinas" mal denominadas, entre outras coisas.

López Mirones explica que devido ao início do lockdown ele não pôde ir a "uma filmagem de tubarões no Oceano Índico" e em vez disso ele fez um "mestrado em virologia em 10 meses". Isso lhe permitiu chegar a "tremendas conclusões" sobre a pandemia.

Ele explica que temos que distinguir entre pandêmico e infodêmico, e vamos deixar claro que o vírus existe, mas o governo está aproveitando o vírus para colocar medo com contínuas mudanças de regras, eles nos apertam e depois nos deixam livres e assim eles brincam. Podemos ver a manipulação com os Testes PCR, o que é um clamor. Na verdade, há países que os proibiram porque é como atirar uma moeda ao ar. É o mesmo que com a Taxa de Mortes; há também um truque porque estas Mortes Covidas não são todas elas, são mortes "positivas com Covida" mas mortes devido a outras patologias além do vírus. Se alguém morre de um ataque cardíaco e é positivo quando morre, eles o colocam como morte Covid, então eles aumentam ou diminuem conforme querem.

O biólogo faz parte de uma associação chamada "Biólogos pela Verdade", na qual ele participa como comunicador científico.

 

Ele foi um dos palestrantes da WFF, o Fórum Mundial da Liberdade, um encontro de Seres conscientes, que com suas exposições em suas áreas de conhecimento nos trazem a "Tocha do Conhecimento". Um conhecimento através do qual crescer, amadurecer e escolher. Este fórum nos dá a oportunidade de despertar um debate social que vai além da contenção que alguns mantêm em certas torres de vigia egoístas.

 

Ele é membro da COMUSAV "Coalición Mundial Salud y Vida" (Coalizão Global de Saúde e Vida), cuja missão do grupo é despertar a consciência de todas as pessoas e alcançar o bem-estar Físico, Emocional, Mental e Espiritual do ser humano.

 

Este cientista questiona a origem do Covid, afirma que as PCRs são falsas e que o RNA nas vacinas Covid-19 pode induzir a formação de priões com potencial para causar doenças neurodegenerativas, como Alzheimer e ALS. Ele acredita que o público não foi advertido dos riscos de inocular humanos com RNA negativo e alega que a vacina da Pfizer tem uma autorização de uso emergencial, mas não foi comprovada a sua eficiência.

"Vacinas RNA poderiam transformar pessoas em seres transgênicos".

Lopez-Mirones também diz que a mortalidade do coronavírus SARS-CoV-2 é baixa e fala de pessoas assintomáticas como uma invenção de "presumíveis infectados" para justificar os lockdowns.

O biólogo analisou em detalhes o brutal documento oficial da empresa farmacêutica criminosa Pfizer sobre 'vacinas' (são injeções, não vacinas) e chega a conclusões muito preocupantes:

"As proteínas causadas por suas injeções poderiam ser transmitidas para os não vacinados pelo meio ambiente".

Claro que não deveria existir, mas se o passaporte e o acesso fossem concedidos a qualquer pessoa, deveria ser aos NATURALMENTE IMUNISADOS, nunca aos inoculados, que são igualmente contagiosos se não mais, e que também impedem a imunidade do rebanho.

A Mirones promove a Imunidade Natural e sugere que deixemos de colocar porcarias caras, ineficazes e perigosas no corpo das pessoas.

"O problema da comunicação do COVID não é a falta de conhecimento de alguns biólogos e médicos, é a falta de honestidade daqueles que são selecionados para falar. Todos eles recebem benefícios diretos ou indiretos das vacinadoras".

Ele explica que eles mudaram a expressão "terceira dose" para "dose impulsionadora", dessa forma não soa excessivo e quando é dose 10 o termo ainda funcionará sem assustar. É tudo engenharia dialética, palavras que criam percepções.

"A invenção de "variantes" tem o objetivo de nos acostumar à sua existência. Assim, elas justificam não apenas a inutilidade das vacinas, mas também as mortes por efeitos adversos. Em breve eles precisarão inventar uma variante letal específica para as crianças".

Fernando López Mirones se tornou uma das pessoas mais odiadas, insultadas e perseguidas pelos jornalistas de medo de manipulações em massa.