A Administração Biden está analisando muito atentamente a implementação do Passaporte de Vacina para sair ou entrar nos EUA?


O secretário do Departamento de Segurança Nacional (DHS) Alejandro Mayorkas revelou que o governo federal e sua agência estão avaliando seriamente a possibilidade de implementar um sistema do tipo "passaporte de vacinação" para viajantes que entram e saem dos Estados Unidos.

Implementação do passaporte da vacina

A DHS é a agência que supervisiona a Transportation Security Administration (TSA), que por sua vez é responsável por exigir e triar a documentação dos passageiros em todos os aeroportos dos EUA.

Como os esquerdistas não fazem ao anunciar qualquer medida que possa gerar controvérsia, como a implementação do passaporte da vacina, Mayorkas tingiu a mensagem com um discurso um tanto confuso que visava fazer parecer que o passaporte busca a inclusão, a equidade e que ninguém é privado de seu direito de ser vacinado.

"Estamos olhando muito de perto para isso, você sabe, um de nossos princípios que nos guiou durante toda esta pandemia é o valor da diversidade, eqüidade e inclusão, e assegurar que qualquer passaporte que fornecemos para as vacinas seja acessível a todos e que ninguém seja desqualificado", disse Mayorkas.

Ele fechou dizendo: "Há um ponto subjacente aqui, é claro, que é que todos devem ser vacinados". Este é precisamente o ponto que gera controvérsia. A imposição de um passaporte de vacina esconde por trás dele a obrigação de ser vacinado. Neste caso, ela está em cima de uma vacina em fase experimental e com enormes dúvidas sobre sua eficácia e um grande número de efeitos colaterais graves relatados.

O anúncio de Mayorkas contradiz as declarações da secretária de imprensa da Casa Branca Jen Psaki, que garantiu aos repórteres em meados de maio que a administração Biden não apóia nenhum tipo de sistema federal de passaporte de vacinas. Deixando a possibilidade de implementá-la para o setor privado, mas não pelas autoridades federais.


"'Não mudou nossa opinião de que o governo federal não desempenhará esse papel", disse Psaki em resposta a uma pergunta de repórteres. "O setor privado pode, e isso pode fazer com que o setor privado avance em ações, que é onde achamos que ele está adequadamente situado".

Conflito legal robusto

Além de impor um passaporte vacinal, como insinuou Mayorkas, começaria um conflito legal robusto entre o governo federal e vários estados. Alguns estados já começaram a legislar uma proibição deste tipo de exigência precisamente porque consideram que ela viola a liberdade individual em vários aspectos.

É o caso da Flórida e do Texas, onde o governador republicano Ron DeSantis e Greg Abbott, respectivamente, assinaram recentemente medidas que proíbem a exigência de passaportes vacinais em todo o estado.

Diante de rumores de possíveis regulamentações futuras exigindo que os cidadãos sejam vacinados contra o Vírus CCP pela administração Biden, o Representante Republicano Andy Biggs foi um passo adiante. Em meados de abril, ele apresentou ao Congresso legislação que, se aprovada, proibiria as agências federais de criar os chamados "passaportes vacinais" em todo o país.

Como sua aprovação depende da maioria democrata, é difícil que o projeto de lei seja aprovado.

O outro problema enfrentado pelo governo federal é que muitos americanos não desejam ser vacinados de forma alguma devido a receios justificados. Esta situação torna ainda mais desafiador torná-la obrigatória porque o impacto negativo sobre a imagem da administração seria imediato.

Projeto de lei para proibir as agências de emitir passaportes de vacinas, e para outros fins: