Como as Vacinas RNA controlam o cérebro humano?


Especialista em neurobiologia da CIA explica, em uma conferência na Academia Militar de West Point, como as vacinas do ARN podem controlar o cérebro humano.

O jornalista independente Guy Boulianne descobriu uma informação muito importante sobre a possibilidade de usar vacinas de RNA para manipular nossos cérebros. Esta hipótese não veio de um grande teórico da conspiração: foi um especialista em neurobiologia da CIA que a apresentou na Academia Militar de West Point, relata Unser Mittel Europa.

Neurobiologia e guerra


Em 13 de junho de 2018, o Dr. Charles Morgan, um especialista em neurobiologia da Universidade de Yale, DARPA, e da CIA, deu uma palestra para estudantes da Academia Militar de West Point (USMA). Ele falou sobre a possibilidade de alterar o DNA para fins de controle da mente. Dr. Morgan demonstra e explica aos estudantes militares americanos de elite como as tecnologias conhecidas pelas siglas CRISPR (Clustered Regularly Spaced Short Palindromic Repeats) e DREADDS (Designer Receptor Exclusively Activated by Designer Drugs) podem "projetar" qualquer coisa.

O Dr. Morgan mostra como o DREADDS pode ser "infundido" no DNA humano para controlar nosso comportamento. Estes receptores de designer, ativados exclusivamente por drogas de designer, podem criar novas células. Eles podem criar novas memórias e novos comportamentos em seus sujeitos. Eles também podem usá-los para apagar ou até mesmo mudar sua memória. A tecnologia CRISPR pode ser usada para matar apenas certas raças de pessoas através da edição de DNA.

O Dr. Morgan diz aos estudantes da Universidade de Guerra Moderna em West Point que "a tecnologia chamada CRISPR torna uma série de coisas prontamente disponíveis ... Você pode projetar qualquer coisa". Você pode projetar uma coisa que mataria apenas uma". Quando você faz plasmídeos e os coloca em células, ele envia um sinal e diz qual parte do DNA deve desenrolar, desdobrar e produzir um produto". Esse é o futuro da medicina".

O futuro da medicina

O Dr. Morgan pergunta: "O que você poderia fazer com esta tecnologia se estivesse em segurança e inteligência?". As células "podem ser projetadas para atividades e propósitos específicos". Elas podem ser colocadas estrategicamente. Elas podem ser controladas remotamente. Assim, estes controles celulares "podem ativar coisas no cérebro de outras pessoas".

Em 2011, a tecnologia de nível celular parecia controlar "a entrega programada de informações sob demanda". Em 2018, o poder de substituir as próprias memórias e decisões com a realidade substituta dos controladores via sangue, cérebro e células já havia passado por qualquer condicionamento comportamental via telefones celulares. Para o Dr. Morgan, as novas possibilidades levam a melhorias na entrega e na abrangência. "Por que ter um sistema digital quando se pode ter um sistema de DNA?", pergunta ele.

O Dr. Morgan é muito explícito em sua apresentação de slides:

"As células podem ser projetadas para atividades e propósitos específicos. As células podem ser colocadas estrategicamente. Elas podem ser controladas remotamente". A nova tecnologia permite que seus controladores acionem as coisas no cérebro de outras pessoas.

Além disso, o doutor, que agora leciona na Universidade de New Haven, imagina como a combinação de "sistemas de DNA" com "computação quântica" poderia ser "uma ameaça verdadeiramente surpreendente que também é mortal". Assim, com a dose de Pfizer e Moderna, um ponto final na agenda global dos que estão no poder pode ter sido alcançado.