COVID 19 - É uma "conspiração" alegar que nos estão sendo negados tratamentos eficazes?


Declaração do Prof. Perronne: "Há estudos sérios que mostram que se você toma vitamina D, você reduz pela metade o risco de mortalidade da Covid. Há estudos que mostram que pessoas com deficiência de zinco morrem mais".

Eficácia da hidroxicloroquina, Ivermectina e Artemisia

Ao vivo: Pr Perronne também confirma a eficácia da hidroxicloroquina, da ivermectina e até mesmo da planta Artemisia Annua.

O jornalista Pascal Praud está estupefato:

"Mas qual seria o interesse de um governo para nos mergulhar (em contenção) - isso é o que eu não entendo!"

Robert Menard, no set, acrescenta:

"Não me importo de criticar o poder, mas acho que não há conspiração - se fosse simples de tratar, suponho que nos teriam dito"!

Entendemos a reação deles.

Se existem tratamentos eficazes para o Covid-19, por que eles não deveriam ser recomendados pelas autoridades?

Essa é a pergunta do assassino!

E isso precisa ser respondido.

Tomar ivermectina: graças a mais de 20 estudos randomizados, sabemos com certeza que esta molécula tem uma eficácia muito alta contra o Covid-19 - na prevenção, no tratamento precoce e no hospital [1].

E ainda assim, nas últimas semanas:

  • A Autoridade Européia de Medicamentos (EMA) aconselhou contra este medicamento ("os dados disponíveis não suportam seu uso para Covid-19 fora dos ensaios clínicos");
  • A Organização Mundial da Saúde (OMS) concluiu que a evidência de eficácia era "inconclusiva" e desaconselhou seu uso fora dos ensaios clínicos;
  • E a Agência Francesa de Medicamentos (ANSM) recusou-se a conceder ao ivermectin uma "recomendação temporária de uso", considerando que "um benefício/risco favorável não pode ser assumido".

Isto é tanto mais surpreendente quanto o risco de ivermectina é zero: não há estritamente nenhum risco grave nas doses recomendadas, o que é muito raro para uma droga.

Ao contrário da vacina AstraZeneca, por exemplo (que matou um estudante de medicina saudável, entre outros), a ivermectina não causa nenhum efeito colateral grave. Sabemos disso com certeza, graças a trinta anos de experiência e vários bilhões de doses prescritas, inclusive para crianças e idosos.

Portanto, não há risco em tentar (risco = 0), e mais de 20 estudos randomizados que mostram que a ivermectina reduz a carga viral, evita hospitalizações e salva vidas (benefício = +++). [2]

E não estamos sequer falando de seu uso na Índia, no Zimbábue ou no México, onde o ivermectin tem mostrado resultados impressionantes em hospitalizações e mortalidade.

NÃO há consenso científico

Mas se tudo isso for verdade...

...significaria que a ANSM, a EMA e a OMS ou são tolos ou grandes criminosos. Porque, se isto fosse verdade, estas agências estariam aconselhando contra um tratamento que salva vidas. Para a maioria das pessoas, isto é um pouco difícil de engolir.

Como podemos acreditar - a menos que sejamos "teóricos da conspiração" - que os grandes especialistas da ANSM ou da OMS podem estar errados... ou nos enganar tanto? Vou tentar responder a esta pergunta central, com vários argumentos.

Primeiro, é importante entender que o Prof. Perronne não está isolado, longe disso.

Primeiro argumento: não acredite no pseudo "consenso científico".

Quando não se é profissional, é normal acreditar que as Agências de Drogas ou a Organização Mundial da Saúde encarnam o "consenso científico".

Mas este não é o caso.

Eles refletem apenas a opinião de um pequeno grupo de cientistas, que estão sob enorme pressão de influências políticas e financeiras.

Ao mesmo tempo, há muitos cientistas e médicos independentes em todo o mundo que apóiam o ivermectin, como por exemplo:

  • A Aliança FLCCC nos Estados Unidos, liderada pelo Dr. Kory, testemunhou em dezembro passado a extraordinária eficácia da ivermectina perante o Senado dos EUA [3] ;
  • O grupo BIRD na Grã-Bretanha, liderado pela Dra. Tess Lawrie, publicou um relatório de 105 páginas de especialistas a favor do ivermectin[4] ;
  • Dr. Andrew Hill, consultor da Organização Mundial da Saúde, conduziu uma revisão de estudos concluindo que provavelmente houve uma redução de 75% na mortalidade [5];
  • No Japão, a Associação Médica de Tóquio recomendou publicamente o medicamento [6]seguido pelo vencedor do Prêmio Nobel que descobriu o ivermectin.
  • Na França, é o corajoso Dr. Gérard Maudrux que escreveu uma síntese implacável de todas as evidências para a eficácia da ivermectina [7].

Devemos também mencionar os milhares de médicos da área que foram convencidos pelos estudos publicados e prescrevem ivermectina ou hidroxicloroquina diariamente - como os médicos da rede "Laissons les médecins prescrire" na França.

E depois há vários estados que recomendam oficialmente o ivermectin para o Covid-19, incluindo a República Tcheca e a Eslováquia.

Não acredite que existe um "consenso científico" contra a hidroxicloroquina, ivermectina ou vitamina D: a aparência do consenso é fabricada!

É simples: médicos e cientistas a favor de um tratamento precoce são censurados.

Censurado pela Ordem dos Médicos, que proibiu formalmente os médicos de falar abertamente sobre o assunto.

Lembre-se do Dr. Erbstein, um clínico geral do Leste da França, que tinha tratado com sucesso seus pacientes com azitromicina, zinco e um anticoagulante - assim que ele falou de seus resultados na imprensa, a Ordem dos Médicos o chamou e disse: "Faz-se o que se quer, mas não se diz nada".

Ele foi então processado pela Ordem dos Médicos e corre o risco de ser excluído do rol... assim como o Professor Raoult e outros 10 médicos que ousaram falar sobre tratamentos que funcionam.

Em resumo, não se surpreenda que não haja mais médicos que defendam esses tratamentos na televisão: eles correm o risco de perder seu sustento se o fizerem! Somente quando você estiver perto da aposentadoria, com sua carreira atrás de você (e uma boa dose de coragem!), como Pr Perronne ou Dr Maudrux, você pode se atrever a se expressar publicamente e livremente!

Além de tudo isso, há a censura da mídia

Foi o jornalista Pascal Praud quem o reconheceu:

"Eu o convidei, Pr Perronne, eu lhe direi por quê: você não será convidado em nenhum lugar, de fato. O serviço público não o convidará. Você é considerado como um teórico da conspiração, como politicamente incorreto, como um mal-pensante, etc.". [8]

E é assim que um pseudoconsenso é "fabricado", convidando na TV e no rádio somente médicos que tenham as mesmas opiniões. Como a professora Karine Lacombe, que pensa que "a vitamina D é inútil". Depois de ouvi-la na TV, as pessoas pensam que sua opinião representa o consenso científico.

Na realidade, as sociedades de conhecimento francês estão lutando entre si pela vitamina D.

Por um lado, você tem a própria Académie de Médecine, e 6 sociedades instruídas que clamam pelo uso da vitamina D na prevenção e tratamento do Covid-19. [9]

E por outro lado, você tem o Alto Conselho de Saúde Pública, que emite um relatório explicando - contra todas as evidências - que a vitamina D e o zinco são inúteis. [10]

Então a mídia finge que essas discordâncias não existem.

Eles conseguiram até desacreditar, aos olhos de muitas pessoas, o maior especialista francês em doenças infecciosas, o Prof. Didier Raoult!

Entretanto, o Prof. Raoult tem a vantagem de ter feito uma imensa carreira sem a menor ligação com a Big Pharma... o que faz dele um "pássaro raro" na profissão.

Felizmente, este espírito livre é também o chefe de um instituto de pesquisa independente de renome mundial (a IHU em Marselha), do qual ele não pode ser "despedido" - ao contrário do Prof. Perronne que perdeu seu cargo de chefe de departamento no hospital Garches.

E para completar, o Prof. Raoult tem sua própria mídia, seu canal no YouTube, no qual ele pode dizer o que quiser, com total independência.

Em um de seus vídeos recentes, ele explicou perfeitamente o problema atual:

"Tem havido uma guerra travada contra as drogas antigas. Temos uma situação que se tornou completamente fantasiosa: as drogas mais conhecidas do mundo, as menos tóxicas do mundo foram consideradas venenos perigosos - a hidroxicloroquina antes, e agora a ivermectina".

Por quê? Porque, diz o Prof. Raoult:

"O uso de drogas antigas que não custam nada não se enquadra na perspectiva da obsolescência programada - ou seja, de querer a todo custo que as moléculas antigas sejam obsoletas, de modo que pagamos muito dinheiro por novas drogas".

Ele acrescenta, como se fosse para evitar uma objeção "fácil":

"Não sei se é "conspiração" para identificar que existem redes de lobbies que estão absolutamente interessados em evitar a prescrição de drogas que proporcionam alívio e não custam nada".

Mais uma vez, não acredite que o Professor Raoult esteja "sozinho contra todos".

Graças a uma pesquisa realizada pelo Quotidien du Médecin, soubemos que a maioria dos médicos franceses desaprovaram fortemente as decisões do Ministro Olivier Véran sobre a hidroxicicloroquina.[11]

E com boas razões: um grande estudo retrospectivo iraniano, realizado em quase 30.000 pacientes positivos de Sars-Cov-2, acaba de fornecer novas provas da eficácia da hidroxicloroquina.[12]

Neste estudo, a hidroxicloroquina é dada como tratamento precoce:

  • Reduziu o risco de hospitalização em 38% ;
  • E reduziu a mortalidade com um significativo 73%.

Mas as autoridades e a mídia conseguiram fazer as pessoas acreditarem que o Professor Raoult estava isolado, o último dos moicanos a defender sua "poção mágica", enquanto mais de 200 estudos científicos realizados por pesquisadores de todo o mundo mostraram sua eficácia no tratamento precoce.[13]

Bom dia a todos!

Fontes

Xavier BAZIN - Revista Santé corps esprit

[1] https://ivmmeta.com/

[2] https://ivmmeta.com/

[3] https://covid19criticalcare.com/wp-content/uploads/2020/11/FLCCC-Ivermectin-in-the-prophylaxis-and-treatment-of-COVID-19.pdf

[4] https://blog.gerardmaudrux.lequotidiendumedecin.fr/wp-content/uploads/2021/03/BIRD-Proceedings-02-03-2021-v-1.5.1.pdf

[5] https://www.researchsquare.com/article/rs-148845/v1

[6] https://translate.google.com/translate?sl=auto&tl=en&u=https://www.nikkei.com/article/DGXZQOFB25AAL0V20C21A1000000/

[7] https://blogs.mediapart.fr/laurent-mucchielli/blog/250221/pourquoi-l-ivermectine-est-probablement-le-meilleur-traitement-de-la-covid

[8] https://planetes360.fr/le-pr-christian-perronne-seul-contre-tous-chez-pascal-praud-tire-les-choses-au-clair-au-sujet-des-traitements-et-de-la-vaccination/

[9] https://www.larevuedupraticien.fr/article/effet-benefique-de-la-vitamine-d-dans-la-covid-quelles-sont-les-donnees

[10] https://www.lemoniteurdespharmacies.fr/actu/actualites/actus-socio-professionnelles/vitamine-d-et-zinc-pas-dans-le-traitement-du-covid-19.html

[11] https://www.lequotidiendumedecin.fr/actus-medicales/politique-de-sante/vaccins-hydroxychloroquine-communication-veran-severement-note-par-les-medecins-un-apres-sa

[12] https://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S1567576921002721

[13] https://hcqmeta.com/